terça-feira, dezembro 19, 2006

Soslaio ou voyeurismo

“Quem nos decepciona não necessariamente não presta. Às vezes, a decepção é provocada por nós, que esperamos das pessoas além do que elas podem dar”.

Gisele Gold



Das melhores respostas que experimentamos no mundo, existe o silêncio.
Até mesmo antes do alfabeto, já existia o silêncio.
O silêncio é intrínseco ao tempo e a maturidade.
O primeiro é no verbo presente, ou seja na resposta não dada, no olhar silencioso, no pensamento do subconsciente, no julgamento interior .
O silêncio responde qualquer pergunta inexperiente, agressiva, superiora, imatura, infelizmente imbecil, tola, de algum ser que por alguma ocasião, seja na sua formação, ou na sua situação atual, julga os outros que ele (a) acredita que conhece, como se todo ser humano fosse estático, que só vivesse de momento como borboleta, pois em determinada ocasião, o presenciei assim ou assado.
Primaveras, verões, invernos, décadas, dias, minutos , milésimos de segundo, eis que surge o nosso segundo personagem : o tempo.

O tempo cala as bocas, revê sentimentos, padrões, trabalha com o ridículo, mexe realmente com a gente.

Bem que quando eu era criança me diziam: “tudo isso que você fala hoje, acusando, criticando, amanhã tudo vai mudar, o tempo vai te ensinar a ser humano, a olhar os defeitos, mas também ter idéia que você é fruto de vários erros e acertos”. Sebastiana Batista da Silva In Memorian


Saramago colocou de maneira brilhante isso:

“fizemos dos olhos uma espécie de espelhos virados para dentro, com o resultado, muitas vezes, de mostrarem eles sem reserva o que estávamos tratando de negar com a boca”.

Bom Natal,

abraços

Rei da Vela

6 comentários:

Anônimo disse...

O que é um adulto?

é uma criança inchada com a idade.

Sinome de Beauvoir

Olhos Verdes disse...

Aprendi desde pequenininha que o silêncio se expressa através de um olhar, um gesto, uma atitude, quietude, enfim com ações que não necessitam de palavras porém de coragem, calmaria, equilíbrio, transparência e tolerância. Por isso ele é tão forte!

O tempo é um coadjuvante fundamental para que essas ações do silêncio amadureçam e se concretizem dentro da maior possibilidade de acerto possível.

O julgamento externo definitivamente não é importante.
Um bom conselho ajuda.
Mas nada supera uma boa reflexão e mudança de atitude que venha contribuir para melhorar a nossa essência e no "combate aos maus olhados".

Feliz Terça-feira!

Anônimo disse...

Silêncio x Tempo
Parada inteligente....

Rita de Cássia

Olhos Verdes disse...

Ôps... reiterando aí o final da frase: "dentro da maior possibilidade de acerto".
Coloquei a palavra possível em demasia no final da frase. Desculpe.

Cláudia Madeira disse...

A presença do diabo em nós é inerente ao nosso desejo.
Não queremos enxergá-lo muito menos admití-lo em nossas veias mas sabemos e temos consciência de que se nos colocarmos pelo avesso vão enxergar a cor dos olhos dele!
....
Cláudia

Anônimo disse...

Penso, que nesse meu passar vivido até agora, o que adquiri mesmo foi um aprendizado de como funciona o jogo da vida, com sonhos despedaçados, uns que persistem, outros que desistem, outros mais que sofrem uma espécie de mutação, e aqueles que vingam, vingam de outra maneira. O que quero dizer é que os sonhos e as metas e os caminhos e os encontros e as células e os corpos e os os e os as se modificam... Porém, a minha PERCEPÇÃO da vida, A PERCEPÇÃO DA MINHA NATUREZA ACERCA DAS NATUREZAS é como se mantivesse a mesma desde quando me percebo. Considero isso como sendo o meu olhar, a minha subjetividade, a minha essência, que, suspeito, permanecerá comigo até o fim.

Abrassu a todos, e que sejam poeticamente felizes e infelizes para até quando lhes houver o sempre.

Ao som de Yamandú Costa ->>>>>>>