segunda-feira, outubro 20, 2008

PINGA COM COBRA




Uma vez, Coronel me contou que uma boa pinga é feita da seguinte maneira: a primeira parte que sai do alambique é chamada de cabeça, a porção intermediária do destilado é o coração e a porção final é o rabo. A cabeça e o rabo são dispensados, por serem muito impuros, ou terem um a graduação alcoólica inadequada, não sei ao certo, e em uma garrafa de cachaça da boa encontramos o Coração da bicha. Pois a imagem que formou pra mim, ao imaginar o líquido precioso serpenteando pelos canos de cobre do alambique, com cabeça, coração e rabo, foi claro de uma cobra.



A serpente, cobra, víbora, é um dos animais mais simbólicos do imaginário humano, não é? Nos fascina, nos hipnotiza, nos aterroriza. Foi graças à serpente que fomos expulsos do paraíso, sendo condenados o homem a trabalhar e a mulher a ter sempre a serpente a morder-lhe o calcanhar. A cobra do Eden não encarna apenas o mal, a desobediência ao Pai. Ela é a Curiosidade, que incita o ser atrás do conhecimento, do fruto proibido da descoberta e da consciência. "Coma o fruto, e verás realmente o que és". Pau na cobra!



Animal Linha, quando em extenso, tem começo, meio e fim. Mas se o começo engole o fim? É o Infinito, imagem perfeita dos ciclos que se suscedem, do conhecimanto que nunca acaba, num processo em que quanto mais o sujeito conhece, mais tem consciência do quanto ainda não sabe.



Enrola-se na taça medicinal, e expele ali o veneno, fornece a cura ao próprio mal que causa. "A diferença entre o veneno e o remédio e a dose" pois "o que não te mata te deixa mais forte".



Fantástico ser, pena não ter asas...




(IMAGEM: "Laocoonte", grupo escultórico grego, encontrado no século XV e que influeeciou os renascentistas, Michelangelo entre eles)

8 comentários:

Anônimo disse...

Esse negócio aí de coração eu ouvi falar! Eu não sou entendido nesse assunto não!

Anônimo disse...

Enfim,

a cobra continua solta meu caro..........Não brincadeira não.

Tito.

Maria, Simplesmente disse...

La Nave Va, vamos ter que tomar uma cachaça com uma serpente dentro, mas quero saber quem vai ter coragem de dar o primeiro gole.....

A cobra cega rendeu mesmo, ainda bem!! Vamos escrevendo!!!!! E sair desse ostracismo.

La Nave Va disse...

OPA! tô dentro Maria!

como assim coronel, ouviu dizer? que papo é esse? pois então corre atrás das suas fontes que isso aí tá até na minha dissertação!

Anônimo disse...

fonte por fonte, a do comuna já vale como referência bibliográfica. sf

Nelinho 10 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nelinho 10 disse...

Há umas três ou quatro semanas apreciei uma exposição na FAAP de São José onde o tema central era a linha e seu uso nas mais diversas vertentes da pintura. Confesso não tinha feito o link, mas o animal linha faltou a exposição. uma pena, mas o texto é muito bom. Valeu La Nave Va!

Sashimi à Bolognesa disse...

Engraçado, essa história da cabeça e do rabo sempre me pareceu coisa de peixe, nunca tinha imaginado uma serpente... Mas se é para justificar a bebedeira, então tá valendo, rsrs...