terça-feira, janeiro 22, 2008

“Esta avenida é uma ilusão”


Belo texto! Caro Charles,

Exprimiu liricamente o efeito da luz do álcool, mesmo ao sabermos que "custa caro" à nossa longevidade, a intensidade que este proporciona à ínfima vidinha que levamos.
Este inferno pré-carnaval é de um sabor inigualável. Imagino aqui comigo, quantas bocas devem ter se perdido e quantas se achado, em meio à multidão dançante uniformemente tresloucada.
E me deu uma vontade de estar junto deste grupo de amigos, o qual considero com a soma de mais alguns companheiros, uma verdadeira “plêiade moderna” a la Paulo Mendes Campos, Fernando Sabino, Drummond, Dalton Trevisan, etc.
No mais, é sentir um leve arrependimento por não ter ido, digo bem leve, pois o tempo furtivo que passou para mim em casa e para meus amigos lá, é o mesmo que nos trará outros caminhos futuros de oportunidades ímpares seja no céu ou no inferno, com Deus ou com o Diabo. O importante será estar junto de gente de bem, e disso eu tenho a mais absoluta certeza!

“Esta avenida é uma ilusão / Para o meu verbo desfilar / Até o carnaval sucumbir à quarta-feira / No amanhecer de pisoteadas serpentinas / Obsoletas, desprovidas de significação.
Sem samba / Sem sua cadência / Sem fantasia / Sem a precisão das curvas / Dos quadris suados embalando o corpo seu”.

Nilson Ares.

2 comentários:

ReidaVela disse...

"o melhor movimento feminino, ainda continua sempre o dos quadris"

Millôr.

abraços

ReidaVela

Anônimo disse...

nossa...vou dar uma mijada