segunda-feira, junho 30, 2008

Volta ao circo

Sábado. Manhã linda. Sol. Pássaros cantantes na janela. Jogo de futebol.
Fui assistir jogo de futebol, final da Copa Vanguarda, São José contra o Bragança Paulista.
Jogo lindo, a Águia começou colocando duas bolas na rede do Braga, a primeira de pênalti. Jogadas bonitas, passes bem feitos, chutes a gol vários, torcida com hino, criança gritando pedindo gol, juiz sendo xingado. Tudo que um jogo de futebol deve ter. No intervalo mais de 50 crianças em quadra num campeonato improvisado de embaixadinhas, crianças de todas as idades, numa desorganização divertida.
Segundo tempo, Braga volta com tudo e mete três gols na Águia. Torcida pasma, frio na barriga, chutões a gol, bolas desperdiçadas, passes não feitos, fominhas. Tudo estava perdido? Não, entra um tal de camisa 10 do São José e coloca ordem na casa, bate forte e colocado (CORONEL, et. al). São José faz mais dois gols e a partida fica 4x3. Calma, ainda faltam 5 minutos pro juiz apitar o final e como dizia Vicente Mateus, o jogo só acaba quando termina.
De repente, começa. Faltas de maldade. O camisa 7 do Braga enche a boca e fala na cara do jogador 10 do São José:
--Vai dar a bunda!
Repete isso, com cara de safado umas cinco vezes. Segue o lance, o juiz apita um escanteio pro São José e bum: porradaria generalizada. O banco de reserva do Braga invade o campo e começa a discutir/agredindo o camisa 10, o banco do São Jose levanta para defender, na seqüência os jogadores de linha adentram na pancadaria e por fim membros da torcida organizada invadem a quadra. São José estava em casa, nem precisa dizer que os jogadores do Bragança apanharam como criança. O 7 vai dar a bunda apanhou de quatro ao mesmo tempo, fugiu sem controle, entrou por uma portinhola e continuou apanhando, saiu depois de uns 10 minutos com cara de ovo, tomando água e fingindo nada. Nessa hora eu mesma quis ir dar uns sopapos na cara dele. Dar a bunda não se diz, amigo.
O goleiro do Braga teve nariz rachado por um gordinho faz-tudo do São José, mano a mano. Porém o mesmo gordinho, depois de tudo mais calmo, trouxe gelo e carregou a maca com o goleiro sangrando em cima.
Enquanto tudo isso acontecia, dois policias assistiam do canto VIP e nada fizeram. Depois de uns quinze minutos chegou o reforço, de bicicleta, e começou a olhar feio pra torcida. Os jogadores já estavam nos vestiários. O narrador pedia calma. Peça calma pra eles, eu fiquei sentada e nada fiz, bem que quis.
O Braga não quis voltar em quadra e terminar o jogo, faltavam três minutos e o São José com o placar de 4x3 foi declarado campeão.
Nem esperei a comemoração, fui comer espetinho de gato na porta do ginásio.
Não sou a favor de violência. Porém entendi a cabeçada do Zidane, entendi a porrada no camisa 7 e acho que posso dizer que meu Sábado foi completo: por R$ 2,00 assisti futebol, boxe e hipocrisia.

(Editado por Nelinho 10)

7 comentários:

Nilson Ares disse...

É Maria...

Nosso esporte "bretão" vai de mal a pior. Imagine nos campos como deve ser então?
Dizem por aí que um dia fomos o país do futebol, mais precisamente há 50 anos.
Será mesmo?
Acho que o futebol não pertence a nenhuma pátria, menos ainda à nossa, repleta de cartolagem corrupta e de talentos recém descobertos de malas prontas para a europa.

O que será do amanhã?
Os albuns de figurinhas da copa de 82 dirão.

Hemerson disse...

Estive no Sesi domingo para jogar uma bolinha e vi muito sangue no chão.E pensei, melhor o nosso sem valer merda nenhuma, a não ser muita risada.

Hemerson

Nelinho 10 disse...

então... eu como jogadôrrr federado tenho que admitir que esse evento é corriqueiro nos gramados e quadras desse Brasil varonil, contudo creio, R$2,00 tá bem pago, afinal, como já discutimos outrora, o que falta pra essa sociedade tacanha e ultraconservadora é um pouco de sangue pra tudo cunté lado!

Viva a barbárie no futebol e vamos lá... movimento pró-Coliseum.

Ps.: Na Espanha funciona com as touradas... cerveja e sangue = panis et circenses.

Alexandre disse...

Diz aí Magé!
Não sei por que, mas enquanto lia seu texto lhe imaginei de chuteiras.
E parafraseando Dadá, só quatro coisas pára no ar. "Beija-flor, helicóptero,Dadá e Magé".
Imaginei vc só de chuteira, parada no ar pegando uma na veia de voleio e mandando na gaveta indefensávelmente!
É minha cara, que bom ter uma mulher escrevendo sobre futebol.
Certa vez eu disse numa mesa de bar que o futebol era um espaço homoerótico por excelência.
Os meus amigos caçuaram de mim dizendo que eu não entendo nada de futebol. Pode ser, o Nelson Rodrigues não entendia nenhum esquema tático e foi um grande cronista!
Mas é um espaço homoerótico sim, pelo menos é o que a psicanálise diz, e dou razão, quando uma turma de homens correm atrás de uma bola, e uma massa de homens (em sua maioria) faz uma cartase coletiva de sua virilidade é o que? Tem que ter alguma viadagem nisso tudo!
Que bom tê-la como comentarista deste esporte, pelo menos vejo que nem tudo está perdido! E eu posso gostar de futebol descansado das maledicencias.
Senta a Pua!!

Alexandre disse...

Editado por Nelinho dez??
A unica coisa que esse cara sabe ler é " VIla Dirce Pio XII".
Na ida, por que na volta muda de nome daí confunde tudo!

Maria, Simplesmente disse...

Nilson, é isso aí, disse tudo:talentos recém descobertos de malas prontas para a europa, deixando o futebol brasileiro capenga. Por isso vibrei tanto com a Champions League de jogadores brasileiros e a Liga de Campeões da UEFA. Mas vamos continuar indo em bares assistir jogos furrecas, ok?!

Hemerson: muita risada mesmo.

Nelinho10, disse tudo, movimento movimento pró-Coliseum. Sangue e cerveja! Mas os animais sacrificados sempre devem ser os homens apenas.

Alexandre:fui de tenis mesmo no jogo, um Nike fabricado por chineses mal remunerados,historia pra uma outra semana. De resto, ainda me impressiono como vc esta sempre com a razão, É TUDO ISSO AÍ, OH!!!!!!

Anônimo disse...

pô coronel, viadagem não...
Ótimo texto caríssima maria e nelinho na cadeia mesmo! s. farias