quarta-feira, outubro 22, 2008

Bares de São José


Em mais uma diligência noturna na busca da boa conversa, birita e quitutes, estive reunido com o nosso caro comodoro frei mainardi e deliberamos sobre vários assuntos, inclusive em executar um projeto – Bares de São José – não por acaso o lampejo ocorreu após 12 garrafas de cerveja, alguns empanados de salsicha, kibes e calabresa acebolada ( que o frei tira com dedos em pinça).
O projeto em si, teve nascedouro no famigerado assunto de como nossa querida cidade bucólica, tacanha, joselítica e tucana, precisa preservar o que ainda nos resta de joseense e que recebemos dos mineiros, tropeiros e outros.
Já tive a oportunidade de sentar em balcões e mesas em bares de oito estados brasileiros e outros além fronteira. A tradição da parada no bar é vital para o desenrolar cultural de uma sociedade desde o medievo, em si, não se tratando apenas do consumo de seus freqüentadores, mas sim, no que de mais importante que existe no homem de cro-magnon – desenvolvimento da linguagem – é no bar onde os entroncamentos da linguagem se misturam às mais notórias vivências e nos encontramos por vezes abrindo o coração para o estranho, o outro. A uma velocidade sem precedentes estamos trocando essa nossa linguagem mais simplória pelos enlatados culturais que nos empurram o tempo todo. Pensando nisso buscaremos uma linguagem única a quatro mãos em imagens, textos e sons.
Para a primeira parada escolheremos entre os abaixo:
Stelet do mercadão (sem comentários); bar do Fumaça (como sócio profissional); bar do Silvio (reduto dos cambaleantes piraquaras autênticos, em extinção); Bar do Paulão (dentista e dono do bar desde 1994, porém o estabelecimento está aberto há 63 anos e tem carteado rolando nos fundos); bar do Savema ( a salsicha empanada de lá é das melhores)
Levando em consideração os recentes ocorridos, o bar que nos apresentar pinga com cobra em seu portfólio será subitamente escolhido.
Se quiserem votar, sintam-se a vontade. Aceitaremos indicações no futuro.
Inté.
Samuel Farias
Imagem: Pintura "Boteco"de João Werner

5 comentários:

Alexandre disse...

"Ai, são pais-de-santo, paus-de-arara são passistas,São flagelados, são pingentes, balconistas,Palhaços, marcianos, canibais, lírios, pirados"
Pelo visto só vai rolar rancho da goiabada aí hein? Não sei não,Esse intinerário vai acabar nos levando de volta ao cro-magnon! Quando será o tabalho de campo? Gostaria de vê-los na ativa!

Maria, Simplesmente disse...

Triatlon Tim Maia to fora!!

Mas vamos aí, a comuna é pra todas as idades sem distinção de classe, raça e credo, portanto vou experimentar as coca colas de tais bares. O bom é que os bares escolhidos todos tem coca de garrafa de vidro, muito melhor que qualquer boemia por aí!!!

E pestiscos, é claro, são meu forte!!! Fritos então.....linguiça com cebola... risoleos de queijo....ovo de codorna..... que dia então?!

Pros servidores publicos é feriado Segunda e Terça, vamos?!!

Nelinho 10 disse...

Gostaria de reinterar o assunto das serpentes fazendo lembrar que não sou adepto do consumo de bebidas alcoólicas, no entanto caso haja a tal marvada cobra com cachaça, podem me considerar dentro! Sobre o percurso bar-in-bar, compartilho dos diseres de Maria (e isto é até meio óbvio), farei parte da frente que avalia os artigos laricáveis e as cocas KS.
Abraços.

Nelinho 10 disse...

...retificando o "dizeres" com "s" que não caiu muito bem a essa hora da tarde...

Anônimo disse...

Quincas Berro Dagua, que o diga!!!

abraços