terça-feira, novembro 03, 2009

De livros mais lidos até a Revolução

O fenômeno Crepúsculo me pegou, confesso. Tanto ouvi falar, tanto critiquei, até briguei com uma amiga que queria ver o filme, porém um dia passeava pela minha livraria predileta e vi a edição em inglês do primeiro livro. Peguei, li o primeiro paragrafo, entendi e pensei: em português jamais iria ler, mas em inglês seria mais um desafio que uma leitura simples.
Li. Li os quatro volumes, todos na língua do Tio Sam, apesar das edições serem inglesas. Praticamente me senti num café inglês comendo muffins.
Então, já que aqui escreve o que quer, QUEM quer, digo que: não leiam.
Para homens adultos cultos esse livro deve ser o último para ser lido. Mesmo que o mundo acabe, como no livro Blecaute, e o passatempo resuma-se a leitura, não leiam. A mente de vocês, amigos comunas, não está para esse tipo de dida literatura. Quem leu Noite Brancas numa tacada só, jamais, repito, jamais irá gostar de Crepúsculo.
Em Português então, não leiam mesmo . Depois da minha leitura em inglês, peguei a edição em Português e o o pequeno encanto acabou-se. Só não é pior que Paulo Coelho e Chalita.
Mulheres abandonadas, amando sem ser amadas, amando e sendo amadas, não amando e não querendo, mulheres: leiam...leiam com amor de mãe se for o caso, mas leiam. Melhor que ler fofocas na internet.
O personagem central do romance é sim apaixonante, mesmo que para sua filha. Que mulher aqui (eu e o Sebastião Maia) não quer ser protegida e amada incondicionalmente, mesmo sendo infantil? Que mulher aqui não quer ter uma crise de tpm terrível e ser amparada e não reprimida?

Mas depois leiam também V. Woolf, Verissimo (autor, não atriz), Douglas Adams, Tolkien, Nelson Rodrigues, Saramago, Garcia Marquez, Clarissa Estés, Campbell....

Ler, caros, é o que resta para todos nós, já que a revolução morreu faz tempo. Vamos combinar: foi-se o tempo que a maioria aqui era de esquerda. Agora nossas bundas de veludo dizem que somos centro, onde não há revolução, só reuniões.


7 comentários:

Anônimo disse...

Que textinho vagabundo, caberia na CRIATIVA ou na MARIE CLAIRE, mas te respeito muito maria, tanto ao ponto de tentar ler, em versão nacional , o livro da saga desse Amor,

Sobre essa parte:

"Que mulher aqui não quer ter uma crise de tpm terrível e ser amparada e não reprimida"?

Como diria um amigo:

- Problema não,Mais pra baixo,pra baixo, direita,direita...aaaaaaaaaaaaa!!!!!!!

Bjos, Frei

Maria, Simplesmente disse...

Ai, André....vc está demais!!!!!!
Passarei a escrever texto Capricho só pra vc ficar p***!! Mas cuspideira aqui, só a Eugênia, eu sou Angélica.

Sem contar que estou rindo até agora da sua raiva da moça Sebatião Maia!! Não foi o Dentinho que convidou?(barulho de lenha na fogueira)

Anônimo disse...

Maria,

acho que num país onde se lê muito pouco os grandes sucessos de venda são bem-vindos.

O que acho legal nesses livros - assumo, nunca li nenhum do gênero -é que eles geralmente cativam a criançada. E quem sabe assim não teremos mais adultos leitores?

Abraço.

S. Maia

**Ouvir do André que eu sou farrista, sei-lá-quem, S. MALA... juro, não me incomoda. Mas você insinuando que eu sou mulher é foda...rs

Alê Marques disse...

Por que ser mulher é foda?

Alê Marques disse...

Por que ser mulher é foda?

aline disse...

Foda é não admitir ser uma...rsrs

Anônimo disse...

Aí, Aline, você também comprou sua bola de cristal?

Só pode ser chinesa...

Abraço

S. Maia