segunda-feira, novembro 20, 2006

Momento Raro

Conflito instalado x crise profissional x de tudo um pouco x questionamento existencialista x paçoca com lingüiça e ovo frito

Momento raro

São momentos raros que oferecem oportunidades de auto-conhecimento. O bom é aproveitá-lo e explorar de todos os ângulos os nossos pontos de vista.
A raridade é que gera a necessidade: em momentos raros eu sou e a necessidade de ser sou eu que determino.

Sempre que temos de tomar um rumo somos tentados a largar mão de tudo. Toda atitude implica pisar em terreno desconhecido, seja no plano mental, espiritual, físico ou emocional.
Decidir o rumo a tomar normalmente dá trabalho e dói.

O espaço que abre entre o “seguro” e o “inseguro” é que eu chamo de medo vazio e é esse buraco que desenvolve em nós o sentimento de solidão. É o momento de dar o pulo certo e torcer para não cair na fenda aberta entre um lado e outro. O medo é que nos freia. Por isso que aprendemos a falar e andar quando ainda não temos noções de perigo.

Amar as pessoas é muito bom. Entendê-las é melhor ainda. Compreendê-las é uma dádiva.
Respeitar seus limites é sublime. Conviver com as pessoas e descobri-las em sua essência é um exercício freqüente. Cada qual com o seu tempo e limite!

A vida é careta, nós é que somos a droga.

O sentido para nossa existência cabe a nós mesmos buscar e quando pensamos que a encontramos damos de cara com um cartaz escrito: “É por ali”. Bem lá na frente tem outro cartaz escrito assim: “É por aqui”. E assim vai pelo caminho afora. Eu diria que é para sempre assim.

Enquanto houver vida haverá ferida.

A racionalidade é um pozinho de cor cinza que mora dentro de um miolo mole. Podemos colorir da cor que melhor nos convier. Tudo depende do resultado que desejamos.

A alegria, o tesão e o riso são apenas fragmentos.

O conforto emocional podemos encontrar no que queremos ver com nossos próprios olhos e não com os dos outros.

Crescemos demais e a inocência do riso da criança não conforta mais. Descobrimos que o mundo dói, portanto, ao invés de conforto temos preocupação misturada a proteção (o que antes (quando éramos crianças) tinham conosco).

As lágrimas, o arrepio, a emoção são momentos escassos em todas as vidas humanas.

Outro dia me disseram assim:
- “Ontem a noite na minha oração, perguntei a Deus o que está acontecendo comigo?”
E eu assustada respondi com outra pergunta:
- “E você, se encontrou na resposta dele?”

Eu acredito que todas as respostas estão dentro de nós mesmos, pois a encruzilhada se apresenta na frente de cada um de forma diferente.
A intimidade é de cada um.
O pensamento é individual.
A responsabilidade de ser o que se é deve continuar como sempre foi: Conscientemente.

"A vida me ensinou a não esperar de ninguém o que nem eu mesma souber o que é.
Ser autêntico com a própria consciência é a garantia para não correr o risco de se trair”.

Caro leitor, se vc leu e não achou nenhum sentido, esquenta não, é apenas uma passagem por um tempo inconcluso...
Feliz segunda-feira!

5 comentários:

André Lajes disse...

Altas filosofias hein Olhos Verdes. Como não achar sentido num texto como esse?
Sua sutileza é encantadora!
Até +.

Anônimo disse...

Olhos Verdes,
Sem dúvida, ser autêntico consigo mesmo é o caminho para atitudes mais acertadas.
Belo texto!
Renato.

Anônimo disse...

Rê, boa essa. Momento Raro! Em tempos de correria que vivemos, o privilégio de PERCEBER um momento raro já é um ganho. Explorar esse momento então...é pura sutileza mesmo como alguém já disse aí.
Parabéns, gostei muito.
AnaLu

Anônimo disse...

Raridade...

Carol disse...

Olhos Verdes,
Gostei do seu texto.
Eu tb postei texto novo dá uma olhada lá.
Carol.