segunda-feira, setembro 03, 2007

O Desenho

Estava cravado no muro, pela textura parecia até uma xilogravura, mas saltava aos olhos como uma imagem holográfica, tinha até uns movimentos leves e lentos, lânguidos e agonizantes.
Havia também um transe cromático, tecnicolor, um matiz que se decompunha em um arco-íris cor de sangue que por gravidade chegava até a calçada.
Alguns do mesmo lado da calçada eram meros passantes dessa holografia, assim como o vento, o frio, um resto de luz difusa daquela tarde, assim como todo gás, e todo líquido do arco-íris cor de sangue que já se derramava pelo meio fio, sujando a guia pintada de verde e amarelo escrito que já é “Penta”.
Outros se dispunham a comentar de maneira seca e concisa, pareciam críticos e especialistas inteligentes a fazer suas orações curtas num telegrafo surdo. Isso, de uma certa maneira já era esperado, haja vista que a crueza do Estado da Arte já era suficiente para dar “conta dos sentimentos em jogo”.
O Desenho nunca foi de fácil compreensão, os mais sensíveis diziam que o problema, desde o início, é que ele sempre foi mal compreendido, o fato era que ele realmente era muito confuso.
O autor não havia imprimido nenhuma sensação de certo ou errado naquela cena, apenas a impressão de ver o Desenho recostado naquela parede ser uma verdade, já que muitos preferiam não acreditar.
Desde criança lembro-me muito bem do Desenho, joguei bola com ele, e por mais que eu esperasse que isso um dia iria acontecer, não gostaria de vê-lo logo após o Penta. Foram um, dois, três, quatro, cinco tiros que o alvejaram contra aquele muro.
O Desenho começou como vapor do Zoínho, assumindo seu lugar em pouco tempo, depois puxou quatro de cana, e logo que pegou a condicional já voltou na função, e parece que agora estava devendo uma puta grana pro Piranhão.
O Desenho deixou um filho, que na sua ingenuidade de criança brinca na rua como se nada tivesse acontecido, e quando volto do trabalho e o encontro, vejo em seu rosto o esboço de uma esperança patética de que o meu filho um dia também possa jogar bola com ele. Antes de tudo.

12 comentários:

Nilson Ares disse...

O "Desenho" saiu no jornal manchado de sangue, coberto de jornal, da imagem de um gol...

Valeu!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Chassi de Grilo O>- disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Chassi de Grilo O>- disse...

em tempo: numa exposição x, fiquei fascinado por uma holografia que nem criança fica olhando pra uma máquina de algodão doce. é incrível, a imagem fica mudando de cor, e passa por TODAS as cores do espectro visível, do vermelho ao violeta, cada milímetro que você se mexe aparece um tom diferente

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Chassi de Grilo O>- disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Chassi de Grilo O>- disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Nilson Ares disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Chassi de Grilo O>- disse...

que porra é essa? quem exclui os comentários??