quarta-feira, junho 11, 2008

Até que a filosofia de bar nos separe

Homens, o que dizer deles que não pareça feminista demais ou machista demais? A verdade.
Outro dia um velho amigo e eu sentamos num bar, papo solto, ele irá se casar em breve, dali uma semana, perguntei: mas você é feliz com ela? A resposta veio sem pensar:
- Depois de tanto tempo era o que tinha que ser feito.
Como assim? Ele me explicou que sente a idade, que o amor não existe, que não tem mais idade para baladas ou até mesmo para começar tudo de novo.
Outro amigo, vai se casar no final do ano. Já um pouco desiludida, repeti a pergunta. Respondeu-me com um sorriso que era não apenas feliz, mas muito feliz, está fazendo o correto para a felicidade própria, não se imagina em outro lugar senão ao lado da noiva. Fiquei mais que feliz, ainda existe felicidade a dois nesse mundo.
Porém, depois de algumas cervejas, uma morena dançava perto de nós. Aí a revelação da real natureza humana. Não aconteceu nada, mas na cabeça do meu amigo Kama Sutra foi revisto. Disse-me num tom tão cafajeste que me lembrou Nelson Rodrigues: queria come-la no meio da pista de dança. A futura esposa dele nem imagina quem ele é.
Antes desse dia, saí com outro amigo e sua esposa, casados há alguns anos, rimos muito, tomamos pouco, sintonia total. Lá pela madrugada a esposa embala num papo com uma fulana, meu amigo então chega perto de mim e confessa:
- Acho que vou largar minha mulher.
Como assim de novo? Por que? Vocês parecem tão felizes, aliais, no começo vocês brigavam tanto e de tempos pra cá é só felicidade. Ele me explicou que na verdade teve que viajar sozinho a trabalho e a sensação de ser sozinho, da liberdade tinha o deixado embriagado.
Resolvi escrever porque ontem tive a revelação final. Saí com outro amigo casado, feliz, com filhos e amando. Mas me confessou, não esqueceu uma antiga paixão e pra completar, o ciúme da mulher que antes não era ciumenta diminui cada vez mais à vontade de ser casado.
Cheguei na idade que antes eu lia a respeito e agora, sem ter noção, sem sentir, mas com essas histórias percebi que realmente cheguei. E com isso me pergunto se eu vou ter coragem de me casar e se existe casamento com amor. Casamento não a cerimônia, porque na cerimônia todos se amam, os dias seguintes que me intrigam.
Continuo com minhas investigações sobre a verdadeira natureza humana, mas de uma coisa eu já sei, tenho muito pra aprender sobre a vida, o universo e o casamento.
Maria, Simplesmente

10 comentários:

CBA disse...

Maria,
Espero que suas investigacoes sobre a verdadeira natureza humana, nao acabem nunca!Principalmente sobre a indefinivel forma dos homens pensarem e agirem...e de como rimos ao nos depararmos com textos tao realistas como o seu, pois sabemos que pelo menos uma vez na vida, seremos uma dessas mulheres!Mas mesmo assim...casadas ou nao...continuamos loucas por eles...
CBA

Maria, Simplesmente disse...

CBA, minha querida, seremos todas elas...
Casadas ou não, louquinhas somos!!
A investigação continua, em todas as nossas conversas. Dia desses coloco uma sua/nossa aqui!

Alexandre disse...

Essas investigações sobre a psique humana já me consternaram um pouco.
Depois de algum tempo de análise aprendi a não fazer mais a minha autoanálise, meu psicologo, o Chico, me fez ser adépito da anti-análise.
Daí é bom aparecer blogueiras como você pra fazer uma catarze matrimonial coletiva, e tentar sublimar o seu medo de casar.
Pois minha ânima é de vento e tudo perpassa por ela, incluusive e até mesmo, essas coisas que vc anda falando sobre casamento.
Mas sobre isso, existe um poema bem louco do Fernando Pessoa - Eros e Psique.
Conta a história de Eros, que é o desejo e que vai atrás da Psique, que é a alma.
No final ele (Eros) descobre que ele é a própria alma que dormia.
As vezes acho que não adianta muito correr atras da explicação.

Anônimo disse...

Nossa, quem é essa??

Maria, Simplesmente disse...

Alexandre, sei do poema de Eros e Psique, acho q foi vc q me falou dele. Mas ainda não acordei.

Essa, caro anônimo, sou eu, que não sei falar de política, mas sei votar, não sei falar de futebol, mas sei torcer, não sei amar, mas tento escrever.

La Nave Va disse...

Maria é animal
pega um pega geral!

Anônimo disse...

Chego a mudar de calçada
Quando aparece uma flôr
E dou risada de um grande amor: Mentira!

O grande Chico, por Nilson Ares

Valeu!

sem jeito disse...

Maria,
Existe casamento com amor, casamento sem amor... existe tudo com tudo e tudo com nada, e por aí vai...
As escolhas devem ser feitas a cada dia e se não der certo a gente vira o disco no lado B e canta uma nova canção...
'Every little thing is gonna be all right'.

Maria, Simplesmente disse...

Sem Jeito, amo o lado B da vida e ando virando discos....

Sem Jeito disse...

É isso aí, Maria! Cada um se vira como pode... acima de tudo lembre-se de que a pessoa mais importante pra vc é.... VC MESMA!
Ok?