domingo, junho 22, 2008

"Tempo ao Tempo"


Neste domingo amargo
Pedi "tempo" ao tempo


Estendi minha mão
De sorriso guardado no silêncio


Pedi com fé
Com resignação...


Pedi para que ele passe
Agora, amanhã e depois


Pedi apenas que passe
Para que eu aceite
Para que eu veja
Para que eu entenda que foi bom...

Deixar de ser "dois".


Nilson Ares
Imagem: Persistência da Memória / Salvador Dalí

2 comentários:

La Nave Va disse...

"(...)Portanto peço-te aquilo
E te ofereço elogios
Tempo tempo tempo tempo
Nas rimas do meu estilo
Tempo tempo tempo tempo..." C.V.

Nelinho 10 disse...

então... tempo ao tempo é o que resta?

não caro amigo, resta a intenção pelas caminhadas socráticas... resta a direção da motocicleta alheia, só pra matar a vontade, resta essa necessidade de querer ser dois, mas sempre sem deixar de ser um... e aí é que o problema mora, mas sempre resta... uma amizade, resta... a cumplicidade... e o resto?

o resto é resto, não tem nenhum valor!!!

força amigo!