terça-feira, julho 08, 2008

As meninas

Na minha adolescência conheci muitos meninos que hoje são homens. Uns seguem a vida, casam, tem filhos, trabalham, enfim, tudo que se espera de um homem. Outros não cresceram e nunca vão crescer, assim acho. Acho ainda que alguns deles se crescerem irão fazer com que parte do meu chão desabe. Machista, eu? Não, respeito acima de tudo a natureza de cada um.
Essas pessoas de que falo são homens que amam a simplicidade de a cada dia ficar com uma mulher.
Impossível, não existe simplicidade em ficar cada dia com uma mulher, diriam alguns. Mas para esses homens existe.
O maior medo da população feminina em geral e de grande parte da população masculina é ficar sozinho, para estes homens isso sim é normal, a solidão de poder ter a quem eles quiserem ou não ter.
Um desses amigos, por exemplo, sai com meninas que cobram, caro por serviços sexuais. Ele paga? Não. Ele é tão especial, tão legal, atencioso, carinhoso, utiliza tanto tais serviços que elas ligam pra ele, depois de muito trabalho, para sair. Pagam baladas, motéis, jantares. Ele faz a felicidade delas e nunca fica realmente sozinho.
Ele tem namoradas, sempre está namorando, mas namora a idéia mais do que a mulher.
Normalmente as namoradas dele são lindas, inteligentes, tem idéias revolucionárias, sabem o que querem da vida e como chegar lá. Mulher perfeita até para mim, que sou mulher e amo homens, mas para esse camarada, são apenas uma bengala social.
Então ele me confidenciou, estava namorando fazia um tempo e não tinha saído com outras mulheres. Senti um certo desconforto na cadeira por alguns segundos. Não acho que sair com outras mulheres namorando está correto, mas nenhuma das mulheres que ele namorou eram ignorantes que não sabiam onde estavam amarrando o burro, somos de cidade pequena. Na minha simples opinião, tais namoradas sabiam ser simples bengalas e gostavam. Algumas até, acredito ficaram com ele na esperança de dar um jeito na situação, mas não é possível que elas não perceberam que não estavam obtendo resultados. Recuso-me a acreditar que elas não percebiam nada. Mas enfim, uma apareceu, uma dessas que segurou toda a vontade dele de conhecer e trepar todas as mulheres do mundo que cederem as suas falas prontas.
Porém, menos de uma semana depois, outra revelação, ele tinha sim, naquele fim de semana, saído com outra mulher, não com uma, mas com duas. Daí descobri que tanta fidelidade por parte de quem não era fiel se deu pela falta de opção; como a cidade é pequena ele ficou com medo de ser pego. Então resolveu curtir a tal da fidelidade, porém, viajou. A oportunidade pulou no colo dele. Hoje está feliz, descobriu que não estava traindo a namorada, mas estava se traindo, e parou com isso. Nunca mais vai cometer tal traição.

14 comentários:

Alexandre disse...

Emblemático hein?
Mas gostei muito do texto e concordo com sua linha de raciocínio!
Eu também conheço pessoas assim.

GBA "O Homem que desafiou o diabo" disse...

Maria, esse homem se trai o tempo todo, o problema é que ele acha que não e tenta convencer as outras.
A mulher que se deita com ele no mínimo tem a mesma doença.

Pingulim torto disse...

"Nunca mais vai cometer..."Acredite quem quiser hahhahah

Conheço um sujeito com tais características e a vida dele é assediar mulheres carentes de sexo, adivinha porque.
E ainda se acha o cara mais bem resolvido desta cidade.

Mentebrilhante disse...

É uma triste receita de como garantir para o futuro com atos imediatistas,uma solidão impar somada a uma infelicidade irreversivel. A magoa ja estara transmitida a muito, e no maximo se transformara em indiferença..gotei do texto.

Sem Jeito disse...

Pro caral... com palavras difíceis... agora conta a história das mocinhas que usam os mocinhos!

Nelinho 10 disse...

é a base dos dias de hoje... imediatismo! será tão ruim? atire a pedra...

Lu disse...

Fora o delicioso prazer do sexo e o delírio entre duas pessoas que se entregam um ao outro no momento do coito, o q sobra para um relacionamento entre um casal que moram juntos e passam por momentos que são inerentes a convivência diária?
As contas pra pagar? A chatice um do outro?
Se for pensar só no "bembom" é óbvio que ninguém se comprometeria seriamente com alguém. O dia-a-dia as vezes é chato e pesado num relacionamento fechado mas ainda pode ser compensado com uma boa e deliciosa trepada uma vez por semana. Ahhh, isso eu garanto!
Quem não consegue isso é porque não gosta do(a) esposo(a) e aí é melhor viver metendo (ou recebendo) o Bráulio em buracos de rato mesmo.

La Nave Va disse...

eu acho que o grande barato do relacionamento é como podemos nos supreender com as pessoas. podemos passar anos ao lado de alguém e sempre tem um pedacinho pra descobrir.
eu acho que os relacionamentos ficam monotonos quando vemos no outro apenas o que achamos que já conhecemos. aquela idéia cristalizada, nem sempre corresponde mais ao outro. facilita a vida da gente, já montamos todo um conjunto de reações e falas quase combinadas, evitando a ansiedade e o desconforto da surpresa.

mas isso aqui vai virar auto ajuda de casal mesmo?

Maria, Simplesmente disse...

la nave va: eu não escrevi pensando em ajudar casais...., mas a gente dá a luz, cria com carinho e o que virar a gente ama ama, vire o que virar.

La Nave Va disse...

ah, Maria, desculpe! isso não foi pra você, foi uma auto ironia mesmo, sobre o que eu escrevi.

Maria, Simplesmente disse...

La nave va: na verdade na verdade, adoro essas discussões e achei bem legal oq vc disse: relacionamentos ficam monotonos quando vemos no outro apenas o que achamos que já conhecemos.

Vou pensar muito nessa frase ainda.

Mas nessa história o foco não é relacionamento a dois. Aqui o moço acha que é feliz ficando com várias. Deixar de ficar com várias fez com que ele ficasse mal. O bom dele não é meu bom e quem sou eu pra dizer o que é bom. Ser honesto com você e não ser o que nossa sociedade beata pede. Ele nasceu na sociedade errada, coitado. Ser o que esperam de você. Ah, é tudo isso aí....rs


Nelinho, no imediatismo quem é o imediato?!!

pingulim torto disse...

Maria, mas provavelmente (como o sujeito que conheço) ficando com várias ele também ficava mal, segundo ele mesmo.
"Deixar de ficar com várias fez com que ele ficasse mal."
mas afinal, porque esse sujeito ainda diz que é feliz ficando com várias se me parece o problema é com ele e seus conflitos sexuais?
PQP.

Nelinho 10 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nelinho 10 disse...

Então, nesse caso o imediato é aquele que não conta os nós, mas o que dá os nós, nós de marinheiro, mesmo sendo imediatos!