terça-feira, fevereiro 03, 2009

A questão da qualidade textual

Meu professor da faculdade , o saudoso Marcos, conhecedor de quase tudo, foi alvo de uma pergunta comum aos intelectuais da literatura " Professor, os livros do Paulo Coelho realmente não prestam?". Qual seria a resposta mais esperada , "péssimo". Com muita propriedade naquilo que fala, disse que a questão não está no que se conta, mais como se conta, a história nem é o principal fator. A mim, pareceu a melhor resposta que ouvi até hoje e remete sempre ao livro Noites Brancas de Dostoievski, ou ainda a poesia o Bicho de Manuel Bandeira que apesar da singeleza presente , causa realmente espanto.

Hemerson

4 comentários:

Nelinho 10 disse...

Aí piquitio, até agora me calei diante da sua czarisse em manejar (mesmo que de forma irresponsável) esse veículo virtual, contudo não posso me calar diante de uma atitude que aqui classifcarei como imatura. Imaturidade essa não relacionada a falta de experiência de vida ou outras essências de auto-ajuda, não, eu não sirvo para conselheiro alá chalitta ou frei beto como o Sr. já referenciou aqui.
Quero falar da imaturidade acadêmica, que o impede de perceber sua contradição quando ao comentar sobre a postagem "Fantasmagorias" o Sr. reclamou da complexidade do texto. Até aí tudo bem, afinal como o veículo virtual é democrático o Sr. tem o direito de achar o que bem entender sobre os lavrados aqui, contudo o Sr. finaliza o referido comentário dizendo que o texto é mensagem antes de tudo.
Entretanto, aqui neste último post o senhor concorda com a idéia de que a questão da qualidade textual está intrinsecamente relacionada com o "como se conta" e não "no que se conta".
Ora meu caro, antes de proferir ríspidas palavras aos comunas que aqui fazem desse veículo algo interessante atente para sua incapacidade de reflexão comparativa, focando na utilização de dois pesos para obter apenas uma medida. Acho que os anos envolvido nas atividades aeronáuticas lhe conferiram um pequeno deficit na percepção textual. Ou em grossos modos (se for auxiliar na leitura e entendimento deste) deixe de ficar aí apertando parafuso e tire uma horinha por dia pra leituras básicas a um aspirante a redator virtual. Só paulo freire já não lhe é suficiente.

Hemerson disse...

one: nunca tive a intenção de ser Czar e nem tenho sido,haja vista, que todos comentam o que quer e se algum momento alguém foi removido daqui foi um consenso e este retornou em consenso.
two: colocar Paulo Freire ou Betto como auto-ajuda me parece incoveniente, onde citei Chalita? Me desculpe, não citei.
three:Em relação a imaturidade, como você a palavra diretamente a mim, solicito o olhar no próprio umbígo.
four: em relação a crítica que fiz ao texto, jamais quis dizer que poderia fazer melhor, ou solicitar que meu amigo que o escreveu não tenha a propriedade da escrita, aliás, é o melhor que considero aqui, e já o elogiei pessoalmente várias vezes.
five: "incapacidade de reflexão comparativa", oh my good. Você não entendeu nada do que disse e não perderei tempo a explicar.
six: em relação as atividades aeronáuticas( lembre-se que não só se aperta parafuso na avição).
seven: desculpe-me pela pobreza textual, nos próximos colocarei o dicionário ao lado e buscarei os léxicos que possam substituir as populares palavras, talvez seja o hábito adquirido ao falar para meus "ignorantes" alunos nas noites depois de apertar parafuso.

Abraços, sem ressentimentos

Hemerson

Anônimo disse...

vendo jogo de jantar, novíssimo!

ainda na caixa.

tel (12) 91232246 - Rogério

News / On disse...

Czarismos e cabacismos à parte, não parem não!

Valeu!