sexta-feira, março 27, 2009

PRUZOTRO




Um dia desse após uma reunião de Pais, uma feroz mãe com seu corpo armado e seu rosto raivoso, se aproximou de mim e perguntou se eu era o Professor Tal.
- Pois não. Respondi a ela.
Direta ao assunto, mostrando seus dentes amarelados e seu olhar vingativo, perguntou se eu acreditava em Deus ou se era Ateu.
Deixei passar a pergunta, olhei no fundo dos seus olhos, mantive silêncio por um tempo, (que gerou uma impaciência pela mesma), e respondi que sim, e que Deus é bom.
Logo em seguida ela perguntou porque então eu estava levando meus alunos a não acreditar em Deus. Fiquei surpreso por tal afirmativa, até porque sou cristão e nunca neguei tal fato.
Como? Perguntei eu a ela.
É isso sim, e não adianta negar, a minha filha falou que o Senhor disse para a sala que como é possível acreditar numa coisa que não vemos.
Ah sim! Respondi a mãe. Que de fato levei meus alunos a questionarem, (esta ação me faz muito feliz quanto tenho êxito em tal proposta) e que a aula em questão era sobre igreja medieval X racionalismo, ou seja, sobre fé e ciência.
Para evita milongas resolvi então dar um golpe, e convidei a Sra Mãe a assistir minha aula, pois aleguei que ela estava fora de contexto. (quebrei a Dona).

Educadamente me despedi, e ainda me desculpei se a sua filha se sentiu constrangida com tal abordagem.
E me veio um pensamento à cabeça:

Ora, dizem que Deus é onipresente.
Não o vejo.
E tem uma coisa que é ubíqua e concreta, e que além de estar em todos os lugares, assume diversas formas e diversas maneiras de ser usadas e ninguém questiona o poder desse negócio, pois precisa dele.
É o contrário?
O espinhudo?
O mal?
O cão tinhoso?

É pior que ele.

Quem ganha?

Deus X Dinheiro?


abraços


4 comentários:

THE PASSENGER disse...

Tudo isso pra mim é um pouco de mais!!
O ensino sendo público, tem a obrigação de ser laico.
Acho que é por isso que a coisa não se resolve, confundir publico com o privado, e agora Estado e religião?
Por que vc não mandou ela ler "Deus e Estado" do Bakunin. Acho que aí ela atearia fogo as vestes! Deixa queimar.

Anônimo disse...

Marcinho, tu és um cara de pau. Bakunin, que jeito rapaz. Presenteia ela com um cd pirata do padre Marcelo e será feliz.

Tito

THE PASSENGER disse...

Eu não sou o Marcinho.

Anônimo disse...

Eu também não sou esse tal de Marcinho ai!rs.
Muito bacana o texto prata.O grande problema é q as pessoas ainda vivem o medievalismo contemporâneo, q Guimarães Rosa me perdoe o neologismo léxico, mais é isso!
Um abraço, Ismael luz de vela.