quinta-feira, setembro 17, 2009

A sina de Adelcrecio

Recente fui fazer uma visita a um amigo no sanatório. Ele costuma ler demais a bíblia e encanou que depois de tantas merdas feitas o diabo estava em seu pé. Adelcrécio desde de moleque fora muito atentado: roubador de mangas em chácaras alheias, chocolates colocados na embalagem de meia dúzia de pães que comprava para mãe, carretéis de linhas no bazar do tio, além de comedor de viado, não que desgostasse das mulheres, elas eram mais difíceis e não lhe davam as moedinhas que a viadagem lhe presenteava.
Aos 13 anos conheceu Ananias na escola que lhe deu um exemplar da bíblia. Adelcrécio iniciou a leitura da santa escritura e dela o que mais tirou foi a imagem de Deus que olhava os meninos maus e os castigava.
Um dia quando estávamos jogando bola, havia uma meninas jogando vôlei com aquelas saias em xadrez, capaz de deixar qualquer adolescente louco. Eu disse “Adelcrécio, bem melhor que o viadinho que você anda comendo”. Ele em tom de repreensão me falou “Deus livrai-me de tal perdição, o demônio se disfarça de várias maneiras”, e pensei, “o cara pirou de vez”. É meu caro leitor, há momentos em que a leitura não digerida direito, causa transtornos irreparáveis.
Certa manhã, como sempre fazia, passei na casa do Crecinho, assim o chamávamos, para irmos à escola. Costumávamos catar bitucas de cigarro na beira do bar para fumarmos, mas isto passou a ser mais um elemento pecaminoso na mente do menino. Achei estranha a conduta do danado, uma idéia de perseguição parecia deixar-lhe atormentado. Começou a ver demônio até na sombra. Na escola em aulas de história quando o professor falava da fé muçulmana, budista e da importância da tolerância, ele levantou a mão e disse “Dona Marta, estamos no fim dos tempos, eu li no Apocalipse ontem”. “Fudeu”, pensei comigo, “o cara pirou de vez”.
A mãe já não agüentava mais ver Adelcrécio naquela situação, acordava toda noite com mania de perseguição e a mãe preferiu, para se livrar do filho, ainda com muita tristeza comum as mães, interná-lo.
No hospital psiquiátrico, acabou por piorar, tomando aquelas bolinhas que os filhos da puta dão para amenizar-lhes o trabalho e fazer aquela manada dormir sem atrapalhar. Já não falava tanto no diabo, e parecia olhar o mundo sem preocupação, agora já com 25 anos, tragava aqueles cigarros de filtros amarelos que a mãe trazia em dia de visita, não falava coisa com coisa, gostava do lugar, dava segurança a ele. A loucura permanecia ali, tranqüila, debaixo de um pé de Ipê amarelo, onde ouvia as histórias que Adelcrécio contava sobre a época que roubava manga, chocolate e da tristeza das mocinhas que não comeu.

Hemerson

14 comentários:

THE PASSENGER disse...

Ótimo!! Gostei meuito!

Anônimo disse...

OLha, começo muito esse sintoma.

O CID é altíssimo, mais ou menos, esquizofrênia paranóide misturado com psicose ( no surto).

Ler sem base e discernimento, é complicado.

Temos também um amigo que não fala coisa com coisa, e vive de EE Maria Luiza (1992/93).

Mas o pior é que este não leu NADA!


abraços

Prata

Gurdura da Galiléia disse...

Eu taqmbém tive essa impressão, fui lendo e pensando "conheço alguém assim", acho que é meio epidêmico.

Nilson Ares disse...

Sim claro, tudo demais atrapalha mesmo.
Vejamos nosso amigo ilustríssimo Coronel Dentes que teve recentemente um AVC, porque segundo sua também ilustre mãe, o mesmo enchia o rabo de cachaça quase todo dia.
E agora ele toma toda sexta no SAVEMA doses cavalares de tônica com limão afim de se redimir de tantos anos de alcolismo.
Só falta agora ele falar que cerveja é coisa do demo...

Marcio disse...

uhhh!

Marcio disse...

eu acho que tem outra coisa por traz dessas histórias, como a que o Hemerson contou, é muito difícil pra todo mundo se encontrar na realidade, mas acho que para algumas isso é dramático. Entre esses, tem os que descobrem algumas estratégias para driblar esse drama do embate com a realidade, tornando essa dificuldade uma força vital. E tem outras que por não terem nenhum ferramental para dar significados a essas dificuldades, vão pra pedra ou pra igreja, que não deixam de ser duas formas desesperadas de fuga.

Anônimo disse...

Márcio,

sobre o tema acima sugiro um post teu , pois o assunto é bom.
Vc que gosta de arte leia o livro , com certeza tem na unicamp: O mundo como vontade e representação do Schopenhauer, onde ele coloca a arte como um meio de " fuga " , onde diante da vontade insaciável do homem, para ele a essencia do homem é vontade, ele achara na arte seu refúgio.

Valeu

Hemerson

Anônimo disse...

Magrelo, essa indicação do Piqui ,é fantástica.

Já li esse livro. Tudo a ver!

Só um detalhe.

Viver é complicado.

Acredito que sou um desses que faz da vida um processo árduo.
Mas estou me tratando, com outros remédios: amor ao próximo,música, esporte, lazer, boa leitura, terapia, chás, ioga, ...

Mas acho que a ferramenta, gira em torno de princípios, de educação, de amor e afeto. E graças a DEus, minha Avó, não deixou a peteca cair

Há vários caminhos, e nem todos levam a Roma.


"Uns tomam alcool, outros cocaína, eu bebia tristeza, hoje tomo alegria" Bandeira

boa semana

abraços

Prata

THE PASSENGER disse...

Não se esqueçam antes mesmo de enxovalharem uma figura pública, da frase que Jejus disse a Pedro
"Sobre essa pedra edificarei a minha Igreja". O nosso Gurdura da Galiléia tem razão!

THE PASSENGER disse...

Não se esqueçam antes mesmo de enxovalharem uma figura pública, da frase que Jejus disse a Pedro
"Sobre essa pedra edificarei a minha Igreja". O nosso Gurdura da Galiléia tem razão!

THE PASSENGER disse...

Não se esqueçam antes mesmo de enxovalharem uma figura pública, da frase que Jejus disse a Pedro
"Sobre essa pedra edificarei a minha Igreja". O nosso Gurdura da Galiléia tem razão!

Marcio disse...

a ênfase tripla foi metafórica? "antes que o galo cante irá me negar três vezes"

Valeu Hemerson, vou atrás disso aí!

Anônimo disse...

conhecia um pouco dessa história aí do crecinho...alias sempre estamos fugindo da loucura e dos fantasmas das coisas que não fizemos e da culpa do que estamos fazendo...Deus nos dê muita tônica e amigos nos visitando internados no futuro...sf

Anônimo disse...

Por que viver transcende!

muita luz neste blog.

saudações

Catarina