quinta-feira, outubro 19, 2006

Ontem, Hoje Amanhã e Sempre

“Nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minhas retinas tão fatigadas”. Carlos Drummond de Andrade
Vou falar mal do passado não, são apenas algumas comparações. Sou grato, porque foi o passado que nos deu o presente. Seria ingratidão falar mal dele. Também há tempo pra tudo. O que podemos fazer é uma refelxão de todo o aprendizado ao longo do tempo.
Meu primeiro ano de faculdade foi em 1988. Quatro anos estudando e trabalhando bravamente com alegria. Verdade, muita alegria eu tive no tempo em que cursei minha faculdade. Trabalhava durante o dia, alimentanto a expectativa de ir à noite estudar, como se fosse pra festa. Ao chegar na sala de aula, eu não tinha o menor problema com o pessoal. Circulava em todas as panelinhas que foram se formando e cristalizando. Hoje ainda resta algumas poucas amizades possíveis, que o tempo e as circunstâncias não deram conta de afastar.
Fiz meu curso com paixão, dedicação e sem tecnologia. Passei noites a fio lendo José de Alencar, Machado de Assis, João Cabral de Melo Neto, Euclides da Cunha, Edmundo Moniz, Eça de Queiroz e tantos outros. Procurava entender os períodos literários e relacioná-los à história de seu tempo. Os finais de semana eram reservados pra grupos de estudo. A leitura de “Os Sertões” me deu um novo alento e meus amigos do curso de História me davam maior força! Escrevia os textos para trabalho com antecipação. Consultava Alfredo Bosi e afins. Tinha boas fontes de consulta no concreto. Para mim, estava de bom tamanho. Quando me preparava para os seminários, procurava aplicar o que aprendia em Teoria da Literatura. Sentia que me aprofundava em todo aquele conhecimento e voava em minha imaginação sem recalques. Até aí, nada sabia do mundo virtual, exceto o amanhã e as formas verbais do modo subjuntivo.
Em meados da década de 80, lembro-me de quando vi pela primeira vez uma máquina de escrever elétrica na divisão, onde eu trabalhava. Encantadora! Deixava minha olivetti na chinela. Ainda não se falava muito em computador, apenas em setores de distribuição de informações. Montava-se um divisão de infomática pra depois informatizar os demais departamentos. Até aí, a vida continuava, algumas olivettis resistiam, embora as sedutoras elétricas se multiplicassem.
Tínhamos no trabalho umas leitoras barulhentas, onde inseríamos microfichas e líamos os dados. Final da década de 80, abriram alas e os computadoras chegaram. Incrível. O funcionário que era agraciado com um computador para o serviço, recebia também uma sub-mensagem: “ Seu emprego esta garantido”. As secretárias então, se sentiam as poderosas. Com dirieito a humilhar e tudo. Nas residências, não havia ainda aquisição de computadores em massa. Todavia, entramos na era imediata e tudo se transformou imediatamente. Exclusões à parte, hoje sabemos que o cenário é diferente, apesar das diferenças.
Concluí o curso em 1991, ainda com a sensação do “só sei que nada sei” e um mega medo de encarar uma sala de aula. Apavorava-me a idéia de não saber responder alguma pergunta dos alunos. Constatei adiante outra geração e lamentei, porque os alunos se bastavam com o que eu apresentava e não me questionavam. Lamentável!!
Acabou-se a década de 90, entrou o século XXI e o mundo não se acabou. Ufa! Até o Jornal “Primeira Mão”ficou eletrônico, e as relações se intesificaram pela Internet. Santa Internet! Tantos pós-modernos estão se casando a partir de vossa ajuda.
Alguns cursos de informática e afins me conduziram a necessidade de ter a sedutora máquina da onda.
Comprei meu computador em 2002 e logo fiz uma assinatura de uma banda larga, sem ao menos entender muito o que é uma banda larga, mas fiz. Embraquei tanto na idéia de navegar que fiquei viciado e quando chegava em casa do trabalho, ia direto pro computador e enquanto tirava as roupas e os sapatos, ligava a coisa. Fascinante a idéia de pesquisar, preparar aulas, fazer projetos e plano de curso, enviar e-mails, encontrar pessoas pela net... Parece até que o mundo se encolheu e meu quarto ficou poderoso. Comprei uma web cam!! Fiz estrago a valer. Nossa! Não podia mais ficar pelado na frente do computador!!Se meu avô tivesse vivo me diria: “ Meu filho, largue isso!Isso é do cão”! Lembro-me da sensação de ouvi uma gravação com a voz de Carlos Drummond de Andrade recitando “ No Meio do Caminho” revi tantos poemas! “José”, incrível. De repente me vi diante de algo parecido com “Macunaíma” e “Mil e Uma Noites”, onde tudo se transforma de de maneira mágica e fantástica.Ouvi os Lusíadas!!Nada disso tivera eu na ocasião do curso! Imaginei como seria se tivesse. Senti o peso da virtualidade!!E meu curso já se acabara!! Prometi a mim mesmo que releria as obras, claro consultando as disponíveis. Tenho feito até hoje. Todavia inesgotável, sempre mais e mais.
Organizar os escritos ficou mais fácil. Não precisa de papel, guarda-se no próprio arquivo virtual. No entanto, cuidado com a invasão de vírus. Já experimentei o prejuízo. Troquei o disco rígido e perdi tudo.
Hoje está tudo tão difuso. Muita gente já possui computador, conectado à net em suas casas. Fazem até cursos on line. Globalização? Globalizados? Acentuar de diferenças! Sim, os correios têm menos trabalho com cartas. Ainda resta sedex. As encomendas...Graças a Deus! Estamos em um mundo concreto afinal. Tem até exploração sexual pela net...Cuidado! A violência também está on line! Que horror!
Porém, temos de saber como lidar entre o bem e mal e fazer nossas escolhas. Ainda nos cabe escolher. Vamos ter de seguir com tudo isso e nossos filhos serão alfabetizados diante do computador. Cada geração nos aponta nova necessidade e aprendizado constante.

5 comentários:

olhos verdes disse...

Nostalgia! Sempre cai bem.
Parece que passamos por épocas semelhantes cara blogueira. Eu tb tenho saudades de alguns sufocos de qdo. fiz faculdade. Legal, gostei de ler.

Qto. a tecnologia virtual eu faço 1 observação:
Pq. a velocidade se tornou fascinante na vida do homem?

Poxa, não tem nada melhor do que pegar 1 livro pra ler e sentir o cheiro do papel, congelar a leitura para reflexão do texto ou "dar 1 tempo para o personagem" rsrsr enfim poder brincar com a obra durante o tempo que quiser. Deixar o livro jogado em cima da cama, do sofá, no banheiro, na beira da pia, no chão, sei lá....

A possbilidade de encanto e magia que um livro nos oferece jamais a internet vai nos tirar (Se Deus quiser)!!!!!
Mas, salve a tecnologia quand même.

Vc me proporcionaou 1 Leitura saborosa. heheh

Tenha 1 bom dia!

Anônimo disse...

Jô,

tem gente que diz que não tem nada pra fazer...Queria eu , aumentar minhas horas além do trabalho.
Piquitito.

Anônimo disse...

Em contra partida eu que não sou PT, não sou LULA, não sou Atlético e nem Cruzeiro, sou alguém que procurar raciocinar em cima da realidade nua e crua, sem o fanatismo, nem me deixando levar pela mídia que é conivente coma venda de nosso país para o capital estrangeiro e que na verdade, quer se alimentar da fome, da miséria, da corrupção, pois se não for assim, como vai haver sensacionalismo no horário nobre? Como a revista Veja vai vender tanto? Etc etc etc
CHICO BUARQUE DE HOLANDA: LUCIDEZ E COERÊNCIA
A cada uma de suas entrevistas, o compositor e cantor Chico Buarque de Holanda, sempre surpreende por sua lucidez e enorme coerência. Agora, no lançamento do seu novo CD, Carioca, ele novamente brilhou ao falar sobre a situação política brasileira. A direita deve ter ficado furiosa, com saudades dos tempos da ditadura militar que o perseguiu e censurou; a esquerda “rancorosa” deve ter ficado ressentida com seus irônicos comentários; já os setores da sociedade que, mesmo críticos das limitações do governo Lula, não perderam a perspectiva, ganharam novo impulso criativo para a sua atuação. Mas é melhor deixar o poeta falar, pinçando trechos das suas entrevistas na revista Carta Capital e no jornal Folha de S.Paulo:
Sobre a crise política:
É claro que esse escândalo abalou o governo, abalou quem votou no Lula, abalou sobretudo o PT. Para o partido , esse escândalo é desastroso. O outro lado da moeda é que disso tudo pode surgir um partido mais correto, menos arrogante. No fundo, sempre existiu no PT a idéia de que vc. Ou é petista ou é um calhorda. Um pouco como o PSDB acha que vc. Ou é tucano ou é um burro (risos).
Agora, a crítica que se faz ao PT erra a mão. Não só ao PT, mas principalmente ao Lula. Quando a oposição vem dizer que se trata do governo mais corrupto da história do Brasil é preciso dizer “espera aí”. Quando aquele senador tucano canastrão diz que vai bater no Lula, dar porrada, quando chamam o Lula de vagabundo, ignorante – aí estão errando muito a mão. Governo mais corrupto da história? Onde está o corruptômetro? É preciso investigar as coisas, sim> Tem que punir, sim. Mas vamos entender melhor as coisas. A gente sabe que a corrupção no Brasil está em toda parte. E vem agora esse pessoal do PFL, justamente ele, fazer cara de ofendido, de indignado. Não vão me comover...........
Preconceito de classe.
O preconceito de classe contra o Lula continua existindo – e em graus mais elevados. A maneira como ele é insultado eu nunca vi igual. Acaba inclusive sendo contraproducente para quem agride, porque o sujeito mais humilde ouve e pensa: “Que história é essa de burro? De ignorante? De imbecil? Não me lembro de ninguém falar coisas assim antes nem com o Collor. Vagabundo! Ladrão! Fizeram o diabo para impedir que o Lula fosse presidente. Inventaram plebiscito, mudaram a duração do mandato, criaram a reeleição. Finalmente, como se fosse uma concessão, deixaram Lula assumir. “ Agora sai já daí vagabundo!” É como se estivessem despachando um empregado a quem se permitiu o luxo de ocupar a Casa Grande. “Agora volta pra senzala!” Eu não gostaria que fosse assim
Eu voto no Lula! Vou votar no Alckmin? NÃO! Acredito que apesar de a economia estar atada como está, ainda há uma margem para investir no social que o Lula tem mais condições de atender. Vai ficar devendo é claqro, já está devendo e precisa ser cobrado.
PAPEL DA MÍDIA
Claramente mais conivente com as inverdades e promessa impossíveis dos tucanos e bem mais implacável na cobrança com Lula, nem sequer disfarçam, não precisaria ser assim, afinal FHC ficou 08 anos no poder e engavetou muitas e muitas CPI’s e as privatizações, onde foi para esse dinheirama toda? Os serviços melhoram quando são privatizados ? sim mas a que custo para o povo brasileiro?
MANIFESTO:
SOBRETUDO NÃO VOTAR EM ALCKMIN.

ComunaPiraquara disse...

Meu Caro ai de cima, apesar de nao se identificar, vale uma replica. Que bom que voce vota em Lula e Chico Buarque tambem. O Brasil esta caminhando pra mudar e ...Voce e inteligente, e crescer. Voce, eu, nos etc desejamos mais para nosso Pais. Meu texto da semana passada e partidario, pois sou partidaria. Uma opcao...O momento exige isso. A direita diz o que quer e precisamos participar e lutar pelo nosso ideal...
Jo

máscaras óbvias disse...

Só melhorando um trecho do comentário "do anônimo aí de cima", pois ficou um tantico confuso: "Os peessedebistas consideram os do PT todos burros. E os petistas consideram os do PSDB todos calhordas...".
Agora minha opinião: essa é a nossa mania, ou necessidade, de generalizar as coisas. É claro que tem uns petistas meio burros sim, como uns peessedebistas calhordas também. Mas é claro que também tem o vice-versa. Como também é claro que tem outras coisas, outros traços. Afinal, somos humanos diversos - seja no âmbito do agradável quanto do desagradável - já busco aqui de certa maneira uma nova generalização - é... estamos mesmo presos a definições gerais - uma maneira de nos sentirmos mais seguros no incerto...
Só uma consideração acerca do que foi dito por Chico: Lula e os petistas também dizem muitos dislates sobre o PSDB! O que quero esclarecer é que não há santinho no jogo da política política - digo assim pois tudo é política...(?)- deixa p'ra lá, por h-ora... Tudo é jogo, na política ainda mais, e a graça da vida talvez esteja mesmo aí - no jogo - nas muitas das vezes, bem do cruel...

Mas caminhemos no caos,
e o futuro é daqui a pouco -

é isso -