terça-feira, outubro 14, 2008

Jesus errou o pênalti





É a finalíssima do campeonato brasileiro de futebol cristão. Igreja Católica Apostólica Romana Nazista contra Assembléia do Reino Podre do Dinheiro Sujo.


Sucesso de público, arquibancadas lotadas, arrecadação máxima. Edir Macedo e Bento XVI com o sorriso de orelha a orelha.

O jogo começa sem graça, pouco esforço dos dois elencos, nenhuma dividida pra animar. Os arqueiros sequer são citados na narração. Parece que os atletas de Cristo queriam mesmo é que o clássico ficasse assim, sem gols, porém com casa cheia.

Finda a primeira etapa e pouquíssimos chutes a meta e no intervalo show da Shakira mesmo, que a essa altura do campeonato já podia ser considerado ecumênico.

Começa a segunda etapa. Os times voltam com um pouco mais de iniciativa. Os pontas até que tentavam, mas as bola na chegava, ficava presa no meio do gramado, ou era alvo de chutões dos zagueiros.

Zero a zero, o tempo passa, o clima é tenso, a torcida já está de saco cheio, o bate cabeça das zagas irrita até os pagãos.

Chutes pra fora, falta de habilidade e entrosamento, porém a fé impera até o último minuto.

Jogados redondos quarenta e cinco minutos do segundo tempo, quando não se esperava mais nada, o Padre Marcelo arranca com a pelota pelo flanco direito, ganha a grande área e é derrubado pelo Inri Cristo. O juiz apita penalidade máxima. Após comemorar o lance como um gol de placa a torcida pede freneticamente: JESUS!!! JESUS!!! JESUS!!!

O enviado pega a bola com toda a propriedade e ajeita pra cobrança.

A torcida adversária em silêncio.

O arqueiro Judas catimbando... Se o Jesus errar o pênalti a arrecadação vai pro inferno!

Preparou, bateu, disparou o pombo sem asas...

...PRA FÓÓÓÓÓRAAAA!!!!!

A torcida alucinada não se agüenta e invade o campo. Cantava em coro: MATA ELE! CÊ VAI MORRER MEU! MATA ELE!

Crucificado em pleno Maracanã das almas.

Não lembro bem pra quem ficou o título, mas a arrecadação foi divida ao meio, certinha, afinal, constatou a justiça desportiva que o Jesus tava jogando pros dois times.

8 comentários:

Hemerson disse...

Sem comentários,

mandou bem . Estou estudando um podcast e este tem características para seu lido.

Nelinho 10 disse...

vamo aê!!! quem sabe vira!

Maria, Simplesmente disse...

Mas escuta, quem foi o juiz?

Anônimo disse...

Sim, claro!Essa narrativa precisa de um returno para que esse espirito santo sem asas transubstanciado na bola balance o filó.
E o juizão, Maria despertou a indagação, quem? Não foi comprado pelo Judas não?
coronel

Nelinho 10 disse...

Poxa Maria, pensei que tivesse citado. Era o Edilson Pereira de Carvalho, jacareiense daqui mesmo, velho conhecido dos noticiários esportivos sobre fraude nos resultados.

Nelinho 10 disse...

aí coronel, não creio que um returno seja apropriado uma vez que era final de campeonato, porém como aparentemente ninguém ficou com a taça pode haver um novo jogo dessa final, mais noventa minutos pra decidir. Quem se habilitar a escrever... senta pua!

Maria, Simplesmente disse...

Nelinho, a narrativa foi perfeita, mas digamos um pouco herege...
Mas eu também sou contra a igreja, então....

Nilson Ares disse...

Pior que isso, só a final de 1950 quando perdemos do Uruguai.

Bom texto!!!

Me aguardem!