segunda-feira, novembro 30, 2009

Dez conselhos para os militantes de esquerda

1. Mantenha viva a indignação.

Verifique periodicamente se você é mesmo de esquerda. Adote o critério de Norberto Bobbio: a direita considera a desigualdade social tão natural quanto a diferença entre o dia e a noite. A esquerda a encara como uma aberração a ser erradicada.

Cuidado: você pode estar contaminado pelo vírus social-democrata, cujos principais sintomas são usar métodos de direita para obter conquistas de esquerda e, em caso de conflito, desagradar aos pequenos para não ficar mal com os grandes.

2. A cabeça pensa onde os pés pisam.

Não dá para ser de esquerda sem "sujar" os sapatos lá onde o povo vive, luta, sofre, alegra-se e celebra suas crenças e vitórias. Teoria sem prática é fazer o jogo da direita.

3. Não se envergonhe de acreditar no socialismo.

O escândalo da Inquisição não faz os cristãos abandonarem os valores e as propostas do Evangelho. Do mesmo modo, o fracasso do socialismo no Leste europeu não deve induzi-lo a descartar o socialismo do horizonte da história humana.

O capitalismo, vigente há 200 anos, fracassou para a maioria da população mundial. Hoje, somos 6 bilhões de habitantes. Segundo o Banco Mundial, 2,8 bilhões sobrevivem com menos de US$ 2 por dia. E 1,2 bilhão, com menos de US$ 1 por dia. A globalização da miséria só não é maior graças ao socialismo chinês que, malgrado seus erros, assegura alimentação, saúde e educação a 1,2 bilhão de pessoas.

4. Seja crítico sem perder a autocrítica.

Muitos militantes de esquerda mudam de lado quando começam a catar piolho em cabeça de alfinete. Preteridos do poder, tornam-se amargos e acusam os seus companheiros (as) de erros e vacilações. Como diz Jesus, vêem o cisco no olho do outro, mas não a trave no próprio olho. Nem se engajam para melhorar as coisas. Ficam como meros espectadores e juízes e, aos poucos, são cooptados pelo sistema.

Autocrítica não é só admitir os próprios erros. É admitir ser criticado pelos (as) companheiros (as).

5. Saiba a diferença entre militante e "militonto".

"Militonto" é aquele que se gaba de estar em tudo, participar de todos os eventos e movimentos, atuar em todas as frentes. Sua linguagem é repleta de chavões e os efeitos de sua ação são superficiais.

O militante aprofunda seus vínculos com o povo, estuda, reflete, medita; qualifica-se numa determinada forma e área de atuação ou atividade, valoriza os vínculos orgânicos e os projetos comunitários.

6. Seja rigoroso na ética da militância.

A esquerda age por princípios. A direita, por interesses. Um militante de esquerda pode perder tudo: a liberdade, o emprego, a vida. Menos a moral. Ao desmoralizar-se, desmoraliza a causa que defende e encarna. Presta um inestimável serviço à direita.

Há pelegos disfarçados de militante de esquerda. É o sujeito que se engaja visando, em primeiro lugar, sua ascensão ao poder. Em nome de uma causa coletiva, busca primeiro seu interesse pessoal.

O verdadeiro militante, como Jesus, Gandhi, Che Guevara, é um servidor, disposto a dar a própria vida para que outros tenham vida. Não se sente humilhado por não estar no poder, ou orgulhoso ao estar. Ele não se confunde com a função que ocupa.

7. Alimente-se na tradição da esquerda.

É preciso oração para cultivar a fé, carinho para nutrir o amor do casal, “voltar às fontes" para manter acesa a mística da militância. Conheça a história da esquerda, leia (auto)biografias, como o "Diário do Che na Bolívia", e romances como "A Mãe", de Gorki, ou "As Vinhas de Ira", de Steinbeck.

8. Prefira o risco de errar com os pobres a ter a pretensão de acertar sem eles.

Conviver com os pobres não é fácil. Primeiro, há a tendência de idealizá-los. Depois, descobre-se que entre eles há os mesmos vícios encontrados nas demais classes sociais. Eles não são melhores nem piores que os demais seres humanos. A diferença é que são pobres, ou seja, pessoas privadas injusta e involuntariamente dos bens essenciais à vida digna. Por isso, estamos ao lado deles. Por uma questão de justiça.

Um militante de esquerda jamais negocia os direitos dos pobres e sabe aprender com eles.

9. Defenda sempre o oprimido, ainda que, aparentemente, ele não tenha razão.

São tantos os sofrimentos dos pobres do mundo que não se pode esperar deles atitudes que nem sempre aparecem na vida daqueles que tiveram uma educação refinada.

Em todos os setores da sociedade há corruptos e bandidos. A diferença é que, na elite, a corrupção se faz com a proteção da lei e os bandidos são defendidos por mecanismos econômicos sofisticados, que permitem que um especulador leve uma nação inteira à penúria.

A vida é o dom maior de Deus. A existência da pobreza clama aos céus. Não espere jamais ser compreendido por quem favorece a opressão dos pobres.

10. Faça da oração um antídoto contra a alienação.

Orar é deixar-se questionar pelo Espírito de Deus. Muitas vezes, deixamos de rezar para não ouvir o apelo divino que exige a nossa conversão, isto é, a mudança de rumo na vida. Falamos como militantes e vivemos como burgueses, acomodados ou na cômoda posição de juízes de quem luta.

Orar é permitir que Deus subverta a nossa existência, ensinando-nos a amar, assim como Jesus amava, libertadoramente.


Frei Betto


Nota: ainda bem que ele não irá me processar por usar seu texto.


Piquitito

31 comentários:

Anônimo disse...

"A direita considera a desigualdade social tão natural quanto a diferença entre o dia e a noite. A esquerda a encara como uma aberração a ser erradicada."

Mentira. A direita encara a desigualdade social como desigualdade social. Diferentemente da esquerda que encara a desigualdade social como um ativo. Uma bandeira. E atribui ao opositor a manutenção da situação enquanto a diferença está na forma de obter a saída. A direita pensa em erradicar a pobreza através dos ativos gerados, já a esquerda quer tratar os desiguais de maneira igual. Só a resposta a esse texto já contradiz a teoria de que devemos ser tratados igualmente. Pensamos de maneira diferente! Somos diferentes!

"Não dá para ser de esquerda sem "sujar" os sapatos lá onde o povo vive, luta, sofre, alegra-se e celebra suas crenças e vitórias. Teoria sem prática é fazer o jogo da direita."

Mas uma peça de empulhação. Nesse caso não vou nem contrapor a esquerda, mas sim Frei Beto. Dizer que a direita não pratica sua teoria é não querer ver.

"Não se envergonhe de acreditar no socialismo."

Aí, cada um na sua. Você não vai na minha casa que eu não vou na sua. Tem gente que acredita em papai Noel.

"A globalização da miséria só não é maior graças ao socialismo chinês que, malgrado seus erros, assegura alimentação, saúde e educação a 1,2 bilhão de pessoas."

Tá de brincadeira? Devem inventar uma Lei de Godwin pra China também. Sempre que se debate alguma coisa a probabilidade de se falar da China é muito grande. E Frei Beto deveria pensar melhor quando fala em direitos humanos e cita a China como bom exemplo. Se hoje temos muito menos miseráveis isso se deve ao capitalismo-bicho-papão.

O quatro e o cinco pula! Como diria Didi Mocó!

"...Che Guevara, é um servidor, disposto a dar a própria vida para que outros tenham vida."

Falar o que sobre isso? Defender quem pratica latrocínio é querer mudar a História. Vejam esse vídeo do patético interprete de Che que, como muitos, abraçou a estória falaciosa do revolucionário: http://www.youtube.com/watch?v=5kp4fyICAYA .

"Prefira o risco de errar com os pobres a ter a pretensão de acertar sem eles."

Isso, os pobres estão sempre certos. Sejamos a manada. Façamos como Mao, Lênin, Fidel, Pedro Stédile... Usemos o povo como massa de manobra.

"Defenda sempre o oprimido, ainda que, aparentemente, ele não tenha razão."

Caminhemos ao lado da Via Campesina que destruiu vinte anos de pesquisas da Aracruz. Afinal, eles são pobres e tem sempre razão.

"Faça da oração um antídoto contra a alienação."

Sabe quando a cobra começa a comer o próprio rabo?

S. Maia

Alê Marques disse...

Assim num guento! Acho que vou cair..

Anônimo disse...

S.M gostei, realmente em alguns aspectos tem razão.

O discusrso da esquerda, às vezes da ânsia, já a direita ao menos assume sua canalhice.

Mas o que me deixou triste, é que em um de seus comentários, ser adepta do Diogo Maiardi, puxa vida, triste, hein!

inté


Sra Holler

Alê Marques disse...

Eu acho o Sr. Sebastião Maia um porco direitoso a la Mainardi.
Mas péraí Pik, assim também não dá!
Vai me enganar que vc acredita em tudo isso aí que esse padre fala?
Tá parecendo cartilha da 4ª Internacional, da finada Convergencia Socialista, das CEB´s, dos padres de passeata como dizia Nelson Rodrigues.
Tudo muda e com toda razão.
Uma frase do próprio Lula:
"Me preocupa muito ver um jovem de 18 anos de direita, assim como um homem de 48 anos de extrema esquerda."
Não dá Pik, fica anacrônico, extemporâneo´pra não dizer ridiculo!
Eu sou social democrata? não sei, possivelmente sim, não me preocupo com esses rotulos.
Mas a social democracia já teve várias caras assim como outras agremiações de esquerda.
Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo também eram socialdemocratas, e grandes revolucionários de esquerda. Porém a social democracia mudou e eles não.
Eu mudei e espero continuar mudando.
Esses conselhos seguem o mesmo corpo doutrinário da moral bolche,que fala sério, hoje, não faz sentido algum.
Não acredito nas saídas totalizantes e simplistas da direita, que têm SM como signatário, e nem na crença pia da moral bolce, e de um socialismo messiânico e extemporâneo da esquerda.
A realidae social, politica e econômica é muito mais complexa do que a interpretação e o antagonismo dessa duas correntes.

Anônimo disse...

Sou adepto de mim mesmo.

E acho "porco direitista" (foi daqui que você tirou que sou adeptO, né?) uma grande sacada.É a síntese perfeita da pecha da direita. Gostaria dela vindo do Mainardi ou do Boff.

Esse "inté" - com o qual você se despede - tá a cara do Camisa Negra S. Farias.

Mas posso estar enganado.

S. Maia

Alê Marques disse...

SM, por que vc chama o Farias de Camisa Preta, como já vi outras vezes aqui?
É em alusão ao facismo?
Quem se alinha mais com o mesmo talvez seja vc, ao ser signatário do pensamento único do neoliberalismo. Que este sim, beira o totalitarismo não havendo outra saída plausível se não o liberalismo ecnomico. O que outrora era o Estado facista agora é o mercado, tão nefasto quanto!

Anônimo disse...

Fale por você, Alê.

Camisa Negra por que foi o que mais incitou a minha expulsão. Pelo menos até onde meus olhos podiam ver.

S. Maia

Maria, Simplesmente disse...

Olha só, estou numa fase 'vamos queimar livris ruins na rua'!
PCN? Pro lixo.
LDB? Lixo.
ABNT?? Faça-me rir! Lixo.
Então cartilha de padreco (tbém desisti da religião) queima, queima, queima!!

Ctrl+C, Ctrl+V??? PRECISA FALAR?!

SM, vc é discipulo de Mainardi!! Aposto que assisti Manhattan Connection e goza domingão a noite, mofando no sofá em casa...enão tem coragem de ir no escritório pq quer ver a reprise! Pra que viver se tem tv?

Alê, pagou o pastel na Sexta? Pq isso é tudo que eu tenho pra lhe dizer hoje.

Maria, Simplesmente disse...

Camisa Negra? Que treco é esse????????????

Anônimo disse...

Matou a charada, Maria.

Estou envergonhado por ter me desvendado tão facilmente.

Achei que fosse um tantinho mais complexo.

S. Maia

Alê Marques disse...

Eu só falo pr mim!
Camisa Negra só por que o cara fez campanha contra vc SM? è isso então?
Até por que se fosse facista talvez seria Camisa Vede, ou galinha Verde, fazendo referencia aos integralistas brasileiros.

Alê Marques disse...

Maria, o pastel tá pago.

Maria, Simplesmente disse...

Eu observo....
Vc é complexo, mas previsível, como qq direitista mainardista psdb joseense. rs

Anônimo disse...

Lendo você, Alê, lembrei de uma estória. Você, com certeza, conhece:

Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu.

Como não sou judeu, não me incomodei.

No dia seguinte vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista.

Como não sou comunista, não me incomodei.

No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico.

Como não sou católico, não me incomodei.

No quarto dia, vieram e me levaram;

já não havia mais ninguém para reclamar.

Martin Niemöller – pastor luterano alemão – 1933 (data presumida)

S. Maia

Maria, Simplesmente disse...

Mas estamos cheio de citações hoje! Que beleza.

Marcio disse...

Não é de facista que o SM tá chmamando o SF. acho que "Camisa Preta" seria o "Capa Preta" do nosso tempo, aqueles dirigentes obscuros que realmente eram os "quem manda nessa porra". era um desaforo típico esquerda-esquerda.
Hemerson, sei lá né, ler isso aí me dá até um saudosismo sabe? sinto falta de alguma motivação coletiva; as individuais são mais recompensadoras, mas menos calorosas também (futebol não né).
O capitalismo é o sistema do acúmulo, e pra alguém acumular alguém tem que ficar sem, isso a gente aprende na mesa do jantar, brigando com o irmão por causa da mistura. Não tem como amenizar isso SM.
mas e aí?

Marcio disse...

Maria, sou contra queimar livros. (acho que isso é um princípio).

Anônimo disse...

Gordura,


Viva a Revolução!

Bons tempos de Santana e Salão Paroquial, (festival da canção)

Do you remember?


Prata

Anônimo disse...

Gordura,


Viva a Revolução!

Bons tempos de Santana e Salão Paroquial, (festival da canção)

Do you remember?


Prata

Anônimo disse...

Gordura,


Viva a Revolução!

Bons tempos de Santana e Salão Paroquial, (festival da canção)

Do you remember?


Prata

Anônimo disse...

Gordura,


Viva a Revolução!

Bons tempos de Santana e Salão Paroquial, (festival da canção)

Do you remember?


Prata

Pik disse...

Vamos aos 3 sábios deste blog SM, Coronel e Simplesmente Maria

SM:
gostei do conto do pastor Luterano.A função do texto era ver onde ir dar e deu resultado.Sabe que toda minha formação esquerdista realmente é uma mistura de Marxismo com Cristianismo e lideres religiosos como Luter King,Gandi e outros aí, porque tem a idéia que as pessoas deveriam ter condições mínimas de vida e bla bla bla que todos vc´s sabem.
De verdade gosto de você.

Coronel: formado na escolinha da convergência . De lá só restou o atéismo pragmático e a revolta dos cascudos que levou do Padre Luis quando coroinha.Melhor lembrança, sentar na cabeça do Padre João na Praça.Agora fazendo parte da "social democracia".

Maria,

Mandar queimar livro do Beto? Faça me o favor escreva algo melhor do que 1 capitulo de seus livros. Este homem tem histórias , apesar dos erros de apoio a Cuba , a China como citada no texto. Talvez tenha lá seus erros, mais chamar o cara de Padreco, faça me favor.
Lamentável.

Anônimo disse...

Quem vai ser campeão domingo?

Nilson Ares disse...

Ha! ha! ha! perguntem ao Pik porque ele não usa mais calça de saco estampada de estrelas e aquelas sandalhonas de lampião dele.
O cara fica postando estes textinhos de 1.900 e bolinha, assiste HBO na casa dele...
Anda de carrão e ainda vem com estas retóricazinhas ultrapassadas.

Sái dando então...

Até.

Maria, Simplesmente disse...

Peraí, Pik, vc admite que eu sou sábia e me diz que eu sou lamentável no mesmo post??
Padreco é ruim? Por que? Ou será que quem lê vê o que quer? Ou que eu sou heregica?

Marcio disse...

como não lembrar Charlinho, depois dessa leve insistência... hehehehe

Alê Marques disse...

É Pik, Sarsão tem razão, quem te viu com aquela sandalhina, calça com lua estrela, bolsinha de tear, e aquela camiseta com um trenzinho escrito embaixo:" Não tem hora de partir nem hora de chegar" Que te compre pequeno burgues!!

pratapreta disse...

Gordura pucevê!

Os homens e suas máquinas...

Anônimo disse...

é...depois da cirurgia...

S. Farias disse...

tirei o inté do grande Rolando Boldrin e foda-se tudo isso aí em cima!!!! Samuel Farias

Mariana disse...

não só é importante o pensamento do militante de esquerda, senão também a atitude e a forma de se vestir.
Eu tinha uns lentes multifocais que eram típicos de militante de esquerda, porque todos tinham algo parecido.